sexta-feira, 25 de julho de 2008

A RD350 já era conhecida na metade da década de 70, quando ela causava sensação ao andar junto com a Honda CB750. De aparência pouco esportiva a antiga RD350, apelidada de "Viúva Negra", tinha muita potência e pouco peso. Mas ao se rever o passado da RD350 não é apenas na década de 70 que suas origens aparecem pela primeira vez, e sim muito antes, mais exatamente em 1957 no Japão, confundindo-se com a própria história da Yamaha.

A primeira Yamaha RD era exclusivamente para competições. Ela foi criada para competir no Campeonato Mundial de Velocidade de 1961 e se chamava RD48. Nessa época, o R significava Racing e o D significava a cilindrada de 250 cm³, embora a RD48 tivesse exatos 246 cm³. No ano seguinte, a nova RD56, de cilindrada um pouco maior, de 249 cm³ (56 x 50,7 mm) e câmbio de seis velocidades, passou a competir no mundial.

Nas ruas existiam dois modelos de passeio muito populares em todo o mundo, a Yamaha DS7 (DX250 no Japão) e a Yamaha R5 (RX350 no Japão). A R5 foi a Yamaha mais conhecida no Brasil no início da década de 70. Ela possuía um motor de alumínio de 349 cm³ com cinco janelas de transferência, e em 1972 a moto ganhou freio a disco dianteiro.


Da união dessas duas motocicletas nascia a linha RD, com a 250, a 350 e as menores RD90, RD125 e RD200. Mas foi a RD350, surgida em 1973 que conquistou definitivamente o coração dos brasileiros.

A sigla RD, nessa época, ficou mais conhecida como Road Double, uma alusão à motocicleta estradeira e ao motor de dois cilindros. Mesmo sem ser oficial essa interpretação da sigla RD era confirmada pela sigla de outra linha produzida paralelamente pela Yamaha, que tinha motor monocilindrico: as RS (Road Single).

A Yamaha RD350B veio em 1974. Tinha potência de 39 CV, câmbio de seis velocidades, cilindro com sete janelas de transferência e a nova válvula de palhetas no coletor de admissão. Em 1976, já fora do alcance dos brasileiros devido à proibição das importações, a RD se transformava em RD400, que tinha entre outras inovações um freio traseiro a disco. A RD400 recebia mais inovações: em 1979 ela se parecia cada vez mais com o modelo seguinte, de linhas arredondadas, roda de liga leve, 40 CV de potência e ignição eletrônica.


8 comentários:

Roberto disse...

Parabéns, não me canço de ver essa máquina meu sonho de consumo junto com a CB550 four...

Feliz Natal...

edson disse...

parabems pela materia e principalmente pela moto ficou linda.gostaria de saber se posivel for de que moto foi o cdi que vc isntalou en sua rd 350 o volante e da dt 180? como vc fes para dar serto pois eu tentei isntalar na minha rd mas o conico do volante da dt e mais groso e nao deu serto na ponta do virabrequin

Miranda disse...

Olá, realmente sua moto ficou de mais. Gostaria de entrar em contato com você para trocar algumas considerações, tipo, como funciona o sistema CDI na sua moto, já que ela tinha dois platinados e hoje só tem um sensor. Não sou mecânico, mas sempre gostei de mexer nas minhas motos e/ou carros, e tenho muita curiosidade para entender o porquê, como funciona, etc. Para isso estou sempre pedindo informações aos mais experientes (e pacientes). Um abraço.

generoso disse...

Isto que você faz hoje é a materialização de um sonho que tive imenso prazer em viver, fico muito feliz em ver que mais pessoas sonharam. Na verdade eu gostaria de expressar minha profunda admiração por todos os feitos que estão demonstrados na pagina e dizer que me senti muito feliz por também ter os mesmos sentimentos e habilidades e achar que faço parte desta casta. Quero ainda dizer que essa pagina me deu muita emoção e alegria ao visita-la, e também manifestar a vontade de tornar publicas algumas de minhas criações que já estão no passado e infelizmente não foram documentadas, parabéns a você autor!

alan lobo disse...

amigo tambem possuo uma rd 250 e uma 350 gostaria de saber como voce ligou essa bobina dupla no cdi ,sendo que sai somente um fio do cdi para faisca e na sua bobina dupla que acho ser da rd350lc tem 02 fios por gentileza esclareça essa duvida de um apaixonado por rds

Rocio disse...

Verdadeiramente uma moto bonita, talvez uma das mais bonitas lá, talvez seja melhor ir para baixo do campo, mas você também tem que comprar proteção, talvez comprar oculos online

Coordenacao Redes Serra disse...

Bem, Estou um pouco atrasado...o blog é de 2008.
Comprei uma RD 350 e estou fazendo o mesmo que vc...vou andar uns 600 km em uma caminhonete para ir buscar. Vou fazer isso no dia 26/03/2014.
A minha é 73 com freio dianteiro a tambor ainda. Acho que a sua estava mais inteira.
Conto com suas dicas e de seus colegas na restauração.
Forte abraço, Vladimir.

Gilson Ronaldo disse...

bom dia robson,realmente linda sua moto!!!e´voce entende bastante de elétrica ,mas na minha rd 350 optei por colocar toda elétrica da rdlc(mesa volante cdi,etc),já que não tenho tanto conhecimento igual ao seu em elétrica),mas funciona perfeito,valeo um abraço!!